Padre Cícero é o ´Padroeiro das Florestas´


Imagem do padre Cícero em artesanato do Centro Mestre Noza.

O sacerdote já recomendava aos seus fiéis cuidados básicos para preservar as matas e os animais.

Mais um reconhecimento é feito para o Padre Cícero. Desta vez, parte da ONG ambiental Greenpeace.

Juazeiro do Norte. O Greenpeace recorre ao “Padim”. De patriarca dos nordestinos ao “Padroeiro das Florestas”. Esta é uma nova denominação dada pelos ecologistas do Greenpeace, Organização Não Governamental (ONG) de caráter internacional. Semana passada, o destaque no site do órgão, na versão nacional, chamou a atenção para os preceitos do Padre Cícero, trazendo mais uma denominação para o sacerdote, além de destacar o projeto “Árvore do Centenário”, adotado a partir deste ano até o aniversário de 100 anos da cidade de Juazeiro do Norte, em julho de 2011. Até lá, será distribuído um milhão de mudas da árvore Juazeiro, para todo o Nordeste.

No site, também foi incluída para consulta matéria publicada no Caderno Regional do Diário do Nordeste, sobre o início da distribuição das mudas, na Romaria de Nossa Senhora das Candeias, no último dia 2. No texto, publicado no espaço Greenblog, cita Juazeiro como não só o nome de uma cidade, mas da árvore que se tornou símbolo do sertão e da terra do Padre Cícero.

O sacerdote é citado como defensor das matas e de Juazeiro. E esse ideal de defesa da natureza, que era repassado de forma tão simplificada para os romeiros, é divulgado pelo Greenpeace, por meio dos preceitos que o Padre Cícero deixou para os simples agricultores de todo o Nordeste brasileiro.

A ideia dos que fazem o Greenpeace no Brasil é vir também para Juazeiro do Norte, no segundo semestre, para espalhar os ´santinhos´ do sacerdote. Foram confeccionados mais de 20 mil deles com a imagem do Padre Cícero como “Padroeiro das Florestas”, durante as festas religiosas do município. E é no segundo semestre, durante a segunda maior romaria do ano, a Romaria de Nossa Senhora das Dores, em setembro, que a ONG pretende distribuir cerca de 200 mil mudas de Juazeiro. Esta é a perspectiva, já que a campanha começou com um pouco de atraso, distribuindo apenas 3 mil, durante a Romaria das Candeias, no fim de janeiro.

Segundo divulgou na imprensa paulista, o diretor das campanhas do Greenpeace, Sérgio Leitão, a ONG começou a distribuir os preceitos ecológicos com a imagem do Padre Cícero no intuito de conscientizar a população sobre a importância de preservar a natureza.

O material também vem sendo repassado durante audiências públicas que discutem mudanças no Código Florestal no Brasil. “Em vários lugares no mundo, a religião ajuda a criar essa relação com o meio ambiente. A força desses ensinamentos é muito importante”, disse Leitão. O Greenpeace pretende levar a campanha para outras regiões do Brasil.

O escritor Daniel Walker, integrante da Comissão do Centenário, aplaude a campanha. O novo título dado ao Padre Cícero é mais um que chega, segundo o escritor, e muito bem vindo. Ele considera importante envolver o “Padim” com as campanhas do Greenpeace em defesa da natureza, já que é um órgão internacional. “É um ideal de defesa da natureza que se espalha para mundo”, comemora.

FIQUE POR DENTRO
Cuidados ecológicos

Preceitos ecológicos do Padre Cícero adotados pelo Greenpeace:
“1 – Não derrube o mato, nem mesmo um só pé de pau; 2 – Não toque fogo no roçado nem na Caatinga; 3 – Não cace mais e deixe os bichos viverem;

4 – Não crie o boi nem o bode soltos, faça cercados e deixe o pasto descansar para se refazer;

5 – Não plante em serra acima, nem faça roçado em ladeira muito em pé, deixe o mato protegendo a terra para que a água não a arraste e não se perca a sua riqueza; 6 – Faça uma cisterna no oitão de sua casa para guardar a água da chuva; 7 – Represe os riachos de 100 em 100 metros, ainda que seja com pedra solta;

8 – Plante cada dia pelo menos um pé de algaroba, de caju, de sabiá ou outra árvore qualquer, até que o sertão todo seja uma mata só; 9 – Aprenda a tirar proveito das plantas da Caatinga, como a maniçoba, a favela e a jurema, elas podem ajudar você a conviver com a seca; 10 – Se o sertanejo obedecer a estes preceitos, a seca vai aos poucos se acabando, o gado melhorando e o povo terá sempre o que comer;

11 – Mas, se não obedecer, dentro de pouco tempo o sertão todo vai virar um deserto só”.

MAIS INFORMAÇÕES
Greenpeace no Brasil:
São Paulo: (11) 3035.1155/ 3817.4600
Manaus: (92) 4009.8000/ (92) 4009.8004

Por ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter Diário do Nordeste

Uma resposta para Padre Cícero é o ´Padroeiro das Florestas´

  1. DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA…

    “As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
    têm direito inalienável à Verdade, Memória,
    História e Justiça!” Otoniel Ajala Dourado

    O MASSACRE APAGADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA

    No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi o MASSACRE praticado pelo Exército e Polícia Militar do Ceará em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do SÍTIO DA SANTA CRUZ DO DESERTO ou SÍTIO CALDEIRÃO, cujo líder religioso era o beato “JOSÉ LOURENÇO GOMES DA SILVA”, paraibano de Pilões de Dentro, seguidor do padre CÍCERO ROMÃO BATISTA, encarados como “socialistas periculosos”.

    O CRIME DE LESA HUMANIDADE

    O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte/CE, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.

    A AÇÃO CIVIL PÚBLICA AJUIZADA PELA SOS DIREITOS HUMANOS

    Como o crime praticado pelo Exército e pela Polícia Militar do Ceará é de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é considerado IMPRESCRITÍVEL pela legislação brasileira e Acordos e Convenções internacionais, por isto a SOS DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza – CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo: a) que seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) a exumação dos restos mortais, sua identificação através de DNA e enterro digno para as vítimas, c) liberação dos documentos sobre a chacina e sua inclusão na história oficial brasileira, d) indenização aos descendentes das vítimas e sobreviventes no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos

    A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO

    A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá em 16.09.2009, extinta sem julgamento do mérito, a pedido do MPF.

    AS RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5

    A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do SÍTIO CALDEIRÃO é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;

    A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA

    A SOS DIREITOS HUMANOS, igualmente aos familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo DESAPARECIMENTO FORÇADO de 1000 pessoas do SÍTIO CALDEIRÃO.

    QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA

    A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem localizar a cova coletiva, e por que não a procuram? Serão os fósseis de peixes do “GEOPARK ARARIPE” mais importantes que os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO?

    A COMISSÃO DA VERDADE

    A SOS DIREITOS HUMANOS busca apoio técnico para encontrar a COVA COLETIVA, e que o internauta divulgue a notícia em seu blog/site, bem como a envie para seus representantes no Legislativo, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal a localização da COVA COLETIVA das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.

    Paz e Solidariedade,

    Dr. Otoniel Ajala Dourado
    OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
    Presidente da SOS – DIREITOS HUMANOS
    Membro da CDAA da OAB/CE
    http://www.sosdireitoshumanos.org.br
    sosdireitoshumanos@ig.com.br

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: