Versões diferentes da biografia de Lula confundem em livrarias


À esquerda, o livro vendido oficialmente junto com o filme ‘Lula, O Filho do Brasil’. Ao centro, a obra que inspirou o cineasta Fábio Barreto. À direita, o livro que foi retirado das bancas por ter a capa muito parecida com o cartaz do filme.

Quem for a uma livraria para comprar a obra que inspirou o filme “Lula, O Filho do Brasil” pode ficar confuso. Dois livros de nomes quase idênticos, escritos pela jornalista Denise Paraná, autora do roteiro para o cinema, disputam espaço nas prateleiras. Uma terceira biografia, lançada no final de 2009 por outro autor, acaba de ser retirada de circulação.

Dos três livros, o único que não imita o cartaz do filme é justamente a obra que inspirou o diretor de cinema Fábio Barreto. Com 528 páginas escritas por Denise, chama-se “Lula, O Filho do Brasil”, como o filme, e mostra a face humana de Luiz Inácio. Conta a mesma história, mas é muito diferente do outro livro da jornalista, “A história de Lula: o filho do Brasil”, que tem 144 páginas e traz uma visão mais romântica da trajetória do atual presidente.

Frases polêmicas

A passagem em que Lula fica sabendo da existência de Marisa – hoje primeira-dama – é um exemplo da diferença entre as duas obras. Em sua entrevista, no livro maior, Lula conta que soube de Marisa, então viúva, por meio do sogro dela, que era taxista e falava muito sobre a moça. “E a minha cabecinha só maquinando, e eu pensava assim: qualquer dia vou ganhar a nora dele”, diz.

Quando narrada no livro menor, a história é mais suave: “Lula olhou [em uma foto] aquela moça de olhos claros, como sua mãe. Viu o sorriso maternal, a expressão de quem não se espanta com a dureza da vida e segue em frente. Achou a loirinha linda e imaginou que ela ficaria bem em seus braços”.

No site oficial do filme, a segunda obra que é a que aparece. Tem na capa o cartaz do longa-metragem, com Glória Pires – que atuou como mãe de Lula – ao lado de Felipe Falanga e Rui Ricardo Dias, que interpretaram o metalúrgico e futuro presidente.

Retirada das livrarias

Um terceiro livro, escrito pelo brasilianista Richard Bourne, também poderia causar dúvidas nas livrarias se não tivesse sido retirado de circulação pela Justiça.

“Lula do Brasil – a história real” foi lançado no final de 2009 e tinha a capa muito semelhante ao cartaz do filme, mas sem autorização. Por causa disso, os produtores da obra cinematográfica exigiram que a Geração Editorial recolhesse a publicação.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a editora afirmou ao G1 que, por decisão judicial, está retirando a obra das livrarias e poderá trocar a capa do livro. Mas pretende tentar um acordo com a família Barreto na Justiça. Segundo a Geração Editorial, a ideia era ajudar na divulgação do filme.

Mesma autora, dois livros

Das duas obras que ainda estão à venda, o livro maior de Denise Paraná é a escolha certa para quem quiser ler uma obra mais completa e descobrir detalhes da juventude do presidente. Publicada em 1996 e reeditada em 2002, a obra tem 103 páginas em que Lula fala em primeira pessoa. Apesar de ser uma biografia autorizada, não se resume apenas a fatos positivos para Lula.

A publicação também traz entrevistas com personagens próximos ao presidente e tem uma análise acadêmica sobre o despertar do então metalúrgico para a vida política. Trata-se de uma reprodução da tese de doutorado defendida por Denise na USP.

O livro mais novo, mais leve, é uma compilação do primeiro, lançada no final de 2009, e não tem entrevistas. A história é narrada pela própria autora, de forma rigidamente cronológica, mais semelhante ao filme.

Mais fácil de ler

Em entrevista ao G1, Denise contou que a segunda obra foi concebida para ser um texto histórico com sabor de ficção. Ao mesmo tempo, procurou fazer um livro para ser lido rapidamente, sem exigir muita concentração de leitura.

“Muita gente me pedia um trabalho mais sintético, mais curto. Então decidi fazer novas pesquisas, entrevistei a família do Lula novamente, fui para o sertão e lá encontrei novos personagens, contando fatos incríveis e ainda desconhecidos. Aproveitei também a ocasião para levantar a biografia de dona Lindu, que não aparece de forma tão clara na minha tese de doutorado”, conta.

Nomes quase iguais

A autora afirma que o segundo livro leva Glória Pires na capa porque o roteiro de “Lula, o Filho do Brasil” não foi escrito apenas com informações de sua primeira obra. “A capa do novo livro é o cartaz do filme porque o filme foi baseado em meu trabalho de pesquisa que já se estende por 20 anos”, defende.

“Os dois livros falam em ‘Lula, o filho do Brasil’, porque esta foi uma expressão que eu criei quando, ao final da minha tese, entendi o quanto Lula era um retrato muito bem acabado da nação brasileira, com suas limitações e possibilidades”, afirma a autora sobre a frase que foi deu nome à obra cinematográfica.

G1

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: